Home Mercados Dólar tem maior queda diária desde agosto sob influência de Fed e Moody’s

Dólar tem maior queda diária desde agosto sob influência de Fed e Moody’s

Às 17h14, na B3 o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1,72%, a 5,1275 reais na venda

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)

O dólar (USDBRL) fechou em forte baixa ante o real nesta quinta-feira, com as cotações reagindo, na volta do feriado, às mensagens de política monetária do Federal Reserve e à decisão da Moody’s de melhorar a perspectiva de classificação de crédito do Brasil.

A moeda norte-americana à vista fechou o dia cotada a 5,1135 reais na venda, em baixa de 1,53%. Foi o maior recuo percentual em um único dia desde 23 de agosto do ano passado, quando cedeu 1,63%.

Em 3 de novembro do ano passado, o dólar também havia recuado 1,53%.

Às 17h14, na B3 o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1,72%, a 5,1275 reais na venda.

Na quarta-feira, com os mercados fechados no Brasil em função do Dia do Trabalho, o Fed manteve as taxas de juros na faixa de 5,25% a 5,50% e sinalizou que ainda está inclinado a eventuais reduções nos custos de empréstimos nos EUA uma notícia que pesou sobre a curva de juros norte-americana na véspera e que, em tese, é desfavorável ao dólar.

Além disso, a agência Moody’s reafirmou a classificação de risco de crédito do Brasil em Ba2 na quarta-feira, mas alterou a perspectiva do país de “estável” para “positiva”, citando um PIB mais robusto e um progresso contínuo embora gradual em direção à consolidação fiscal.

No mercado de câmbio a ação da Moody’s foi considerada favorável ao real (desfavorável ao dólar), já que o país pode se tornar no futuro, com eventual retomada do grau de investimento, mais atrativo ao capital externo.

(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)

Assim, estes dois fatores o Fed e a Moody’s pesaram sobre as cotações do dólar na reabertura do mercado brasileiro nesta quinta-feira.

“Atribuo a queda do dólar hoje (quinta-feira) mais ao exterior. Como não tivemos mercado ontem, quando os negócios voltaram o dólar já cedeu”, comentou Matheus Massote, especialista de câmbio da One Investimentos. “E tivemos a Moody’s, que obviamente é importante”, acrescentou.

De fato, após registrar a cotação máxima de 5,1944 reais (+0,03%) no primeiro minuto da sessão, às 9h, o dólar à vista despencou no Brasil.

O movimento de queda continuou pela manhã e à tarde, com a moeda à vista atingindo a cotação mínima de 5,1000 reais (-1,79%) às 14h47.

A partir do nível de 5,1000 reais considerado por vários profissionais ouvidos pela Reuters nas últimas semanas como uma espécie de “piso” de oscilação para o dólar após o movimento mais recente de reprecificação global o dólar recuperou um pouco da força, mas ainda assim fechou em queda firme.

Pela manhã, chamaram ainda a atenção os fortes números do balanço de pagamentos brasileiro, divulgados pelo Banco Central.

Dólar
(Imagem: MG_Photos)

O país teve um déficit em transações correntes de 4,579 bilhões de dólares em março, pior que o saldo negativo de 3,1 bilhões de dólares projetado por economistas do mercado.

No entanto, o Investimento Direto no País (IDP) alcançou 9,591 bilhões de dólares, contra 6,85 bilhões de dólares projetados na pesquisa da Reuters. Na prática, o IDP mais do que cobriu o déficit em transações correntes.

No acumulado do primeiro trimestre, o déficit em transações foi de 14,4 bilhões de dólares, mas entraram no país via IDP 23,3 bilhões de dólares.

Também pela manhã o BC vendeu todos os 12.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados para rolagem dos vencimentos de julho.

Às 17h38, o índice do dólar que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas caía 0,30%, a 105,390.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.