Home Comprar ou Vender Pare de dizer “venda em maio e vá embora”; entenda o porquê

Pare de dizer “venda em maio e vá embora”; entenda o porquê

O mês de maio foi o mais alto em nove dos últimos 10 anos, então talvez devêssemos dizer “venda em junho e vá embora"?

por Gustavo Kahil
0 comentário
Venda em maio?

Chegou a época de um dos axiomas de investimento mais conhecidos: “Venda em maio e vá embora”. Você, provavelmente, verá isso em todos os lugares no início deste mês. Mas não é por menos.

O índice S&P 500, por exemplo, registrou uma média de apenas 1,7% ao longo desses seis meses e subiu menos de 65% das vezes desde 1950.

“Agora, vamos ser claros. Um aumento de 1,7% pode não parecer muito, mas ainda é um aumento. Além disso, não defendemos a venda cegamente devido ao calendário. Mas vale a pena ficar atento a esse efeito, pois você ouvirá muito sobre ele esta semana”, pontua Rian Detrick, estrategista-chefe de mercados da consultoria Carson Group.

Os próximos 6 meses são os mais fracos

Fonte: Carson Group – FactSet 25/04/2024 (1950 – Atual)

Detrick, contudo, ressalta que “estes piores seis meses”, aumentaram em oito dos últimos 10 anos.

“Sem mencionar que o mês de maio foi o mais alto em nove dos últimos 10 anos, então talvez devêssemos chamá-lo de ‘Venda em junho e vá embora’?”, questiona.

Venda em junho?

Fonte: Carson Group – FactSet 25/04/2024 (1950 – Atual)

Ele pontua, ainda, que os anos eleitorais tendem a registrar uma recuperação durante estes seis meses, com o período de maio a outubro subindo 2,3% em impressionantes 77,8% do tempo.

Venda em maio durante anos eleitorais


Fonte: Carson Group – FactSet 25/04/2024

Dado que este ano começou com uma recuperação de mais de 10% no primeiro trimestre, tendendo a acontecer em anos eleitorais que registaram grandes ganhos no início do ano?

“Abril e maio foram fracos, mas as ações normalmente atingiram o seu ponto mais baixo no início de junho, antes de uma recuperação no verão. Até agora, este ano está em boa forma”, lembra o estrategista.

Detrick pontua que não ficaria surpreendido se as ações se consolidassem durante mais ou menos um mês, compensando parte da recuperação histórica dos mínimos do final de outubro do ano passado.

“Não esperamos grandes fraquezas, mas uma ruptura faz sentido. No entanto, como este é um ano eleitoral e as ações têm estado fortes até agora este ano, pensamos ser provável uma recuperação e força no verão durante estes seis meses”, ressalta.

Recuperação após abril

Vale lembrar que o S&P 500 marcou uma queda de 4% em abril.

“A boa notícia é que olhar para o final das sequências de altas anteriores de cinco meses mostrou que um mês depois as coisas estavam arriscadas, mas estar por 3, 6 e 12 meses mostrou retornos acima da média. Na verdade, um ano depois, as ações têm estado sempre mais altas (seis em seis)”, conclui.

S&P 500 após o encerramento de 5 meses de alta

Fonte: Carson Group – FactSet 26/04/2024

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.